15 de junho //
+

O convênio formalizado nesta sexta-feira entre o BNDES e a Coppe/UFRJ viabilizará a construção do primeiro trem de levitação magnética do Brasil. O Maglev-Cobra coloca o país em lugar de destaque no desenvolvimento de tecnologias de levitação.Segundo o coordenador do projeto, Richard Stephan, do Laboratório de Aplicações de Supercondutores (LASUP) da Coppe/UFRJ,  o Brasil está a um passo a frente do resto do mundo. “Enquanto a China e a Alemanha estão criando protótipos em laboratório com essa tecnologia, nós vamos construir uma linha operacional”  ressaltou.

A partir de um financiamento de R$ 5,8 milhões, será construída uma linha regular de 200 metros entre os prédios do Centro de Tecnologia da Coppe/UFRJ. O projeto terá quatro módulos com capacidade para transportar até 30 passageiros, e entrará em operação em 2014.

A cerimônia contou com a presença do diretor de tecnologia e inovação da Coppe, Segen Estefen, e do diretor de infraestrutura do BNDES, Roberto Machado, que ressaltaram a importância da cooperação entre as instituições. “A cooperação entre o BNDES e a Coppe/UFRJ relaciona dois momentos importantes: a fundação da Coppe, há 50 anos, e o olhar atual para sustentabilidade” disse Machado.

Segundo o professor Richard, além do Maglev dispensar rodas e não emitir gases de efeito estufa nem ruído, também é econômico, já que as obras de infraestrutura para seu funcionamento chegam a ser 70% mais baratas do que as obras para o Metrô e com muito menos  impacto na vida da cidade. Enquanto a construção de um metrô subterrâneo no Rio de Janeiro tem o custo de R$ 100 milhões por km, os pesquisadores calculam que o trem de levitação poderá ser implantado por cerca de R$ 33 milhões. “Na área de transporte público, podemos dizer que é o veículo mais limpo do mundo em termos de emissões e perfeitamente adaptável a qualquer topografia. Também poderá ser no futuro o principal meio de transporte para ligar as estações de viagens na cidade”, afirmou Stephan.

O Maglev precisa de alguns componentes que podem ser produzidos pela indústria brasileira, como fabricação de vagões leves,  supercondutores e desenvolvimento de  novos padrões arquitetônicos e de transporte. A aposta da Coppe/UFRJ nesta área conta com a cooperação tecnológica da Alemanha e China .

Tecnologia pioneira

O pioneirismo do Maglev-Cobra está na utilização da técnica de levitação empregando supercondutores e imãs de terras raras. Os supercondutores são refrigerados com Nitrogênio Líquido a uma temperatura negativa de 196º C. Um protótipo funcional é utilizado hoje no laboratório de testes e desliza por um trilho de 12 metros com 8 passageiros.

Movido a energia elétrica, o Maglev possui baixo consumo  de energia elétrica, cerca de 25 kJ/pkm (unidade que mede a quantidade de energia gasta para transportar cada passageiro por um quilômetro). Para se ter uma ideia em relação às vantagens em termos de eficiência energética,  o consumo de um ônibus comum é de 400 kJ/pkm e o de um avião é de 1200 kJ/pkm.