21 de junho //
+

 

 

 

 

 

A Bacia de Santos, área onde se encontram campos em camadas do pré-sal, será observada por meio de um sistema inédito de monitoramento oceânico. As informações contribuirão para a segurança e eficiência de operação da empresa para o melhor conhecimento e preservação do meio ambiente, entre outras finalidades. O levantamento será possível através do Projeto Azul, lançado pela Coppe/UFRJ e a BG Brasil, durante a Rio+20, no estande da Coppe no Parque dos Atletas, nesta quinta-feira (21). O sistema inédito auxiliará ainda no conhecimento e preservação do meio ambiente.

O Projeto Azul vai coletar, durante três anos, informações sobre a dinâmica das correntes oceânicas, temperatura, salinidade, PH, oxigênio dissolvido, clorofila, cor e matéria orgânica, entre outros parâmetros, que serão reunidos e analisados pelo LAMCE/Coppe. O monitoramento será feito com ajuda de robôs mergulhadores (seaglider), derivadores (boias acopladas com medidores), perfiladores (obtêm, dentre outros parâmetros, o perfil das correntes principalmente em águas profundas) e imagens de satélite. Esta é a primeira vez que as correntes oceânicas e os parâmetros da oceanografia química da região são estudados até a profundidade de dois mil metros. A iniciativa poderá ser integrada a outros sistemas já existentes na Europa e nos Estados Unidos.

Na assinatura do convênio entre a Coppe e a BG Brasil, que representa um investimento de R$ 20 milhões, o diretor de Tecnologia e Inovação da Coppe, Segen Estefen, destacou a importância do projeto em relação à proteção dos oceanos. “Apesar das dificuldades de se chegar a um acordo sobre o tema no documento desta conferência, os oceanos necessitam de todo o suporte, especialmente dos cientistas, das empresas e dos governos. A saúde dos oceanos vai refletir na saúde do planeta”, enfatizou.

O secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério de Ciência Tecnologia e Inovação, Carlos Nobre, anunciou que em breve será criado o Instituto Nacional de Oceonografia e Ciências do Mar, que trabalhará em conjunto com iniciativas como a do Projeto Azul. Nobre disse que o Brasil precisa conhecer melhor o litoral. “Somos um país oceânico e entender o Atlântico é fundamental para protegê-lo.”

Segundo o professor Luiz Landau, do Laboratório de Métodos Computacionais em Engenharia (LAMCE) da Coppe, coordenador do projeto, a proposta é montar um grande organizador de informações, utilizando o supercomputador da Coppe, cujos dados serão enviados para o INPE. “Teremos no final um modelo vivo da região. Com todas as informações, vamos conhecer melhor o oceano, podendo estar dentro da água sem se molhar”.

O presidente da BG Brasil, Nelson Silva, destacou que este é o maior investimento em pesquisa da companhia no país. Segundo ele, a empresa pretende investir muito mais na área de petróleo e gás, tornando-se a segunda maior operadora de petróleo do país até 2020.

“O conhecimento das características marítimas da Bacia de Santos é de extrema importância para as atividades do setor de óleo e gás. O Projeto Azul também irá contribuir para a capacitação de profissionais de Oceanografia Operacional, colaborando para o desenvolvimento da Ciência e da inovação no Brasil”, destacou.

Também estiveram presentes na cerimônia o embaixador do Reino Unido, Alan Charlton, o Diretor da Coppe, Luiz Pinguelli Rosa e o conselheiro da BG Group, Caio Kock-Weser.

O Projeto Azul será útil no gerenciamento de vazamentos de óleo, pois ao se conhecer previamente o padrão das correntes é possível rastrear manchas de óleo no mar, apontando a direção do deslocamento, para que se atue de forma rápida e eficaz para contenção e dispersão do óleo, minimizando impactos. A iniciativa também inova ao disponibilizar as informações em tempo real para universidades e centros de pesquisa.

Por meio do Centro Global de Tecnologia do BG Group, a BG Brasil irá monitorar o desenvolvimento do sistema junto à Coppe. Os robôs mergulhadores e demais equipamentos estão sendo importados dos Estados Unidos e serão lançados ao mar no segundo semestre pela empresa de oceanografia Prooceano que atuará no manejo dos equipamentos e na coleta de dados. Os dados de satélite serão fornecidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Tanto a Prooceano quanto o INPE também são parceiros do consórcio.