COPPE
PROGRAMAÇÃO:
13 a 24
JUNHO
CIDADE
UNIVERSITÁRIA
PARQUE
DOS ATLETAS
PROGRAMAÇÃO PROGRAMAÇÃO COMO CHEGAR COMO CHEGAR MAPA MAPA
NAS REDES:
Como chegar: Cidade Universitária
Como chegar: Parque dos Atletas
PROJETOS E PESQUISAS
Mobilidade Urbana Trem de levitação magnética
Maglev-Cobra é opção contra o caos do trânsito nas grandes cidades brasileiras

Um trem compacto e leve, que dispensa rodas e trilhos e flutua silenciosamente. Movido a energia elétrica, não emite gases de efeito estufa, como os automóveis e ônibus. Desliza elegantemente sobre esbeltas passarelas suspensas, que não competem pelo já congestionado espaço das grandes cidades e cuja construção dispensa as caras e impactantes obras civis dos metrôs e trens de superfície convencionais.

Assim é o Maglev-Cobra, o trem de levitação magnética que está em desenvolvimento no Laboratório de Aplicações de Supercondutores (Lasup) da Coppe. No laboratório, um modelo em tamanho real levita sobre uma linha de 12 metros de extensão, enquanto aguarda a construção de uma via demonstrativa de 200 metros, que será montada com recursos da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O modelo em testes poderá transportar até 30 passageiros (cinco passageiros por metro quadrado), mas o projeto é concebido para operar em módulos, tantos quantos necessários para atender à demanda.

O coordenador do projeto, professor Richard Stephan, explica que, embora o material levitante do Maglev seja quatro a cinco vezes mais caro que o material rodante do metrô, as obras civis, os custos operacionais e os custos de manutenção são menores. “A manutenção é mais barata”, diz ele, “porque não há o atrito roda–trilho responsável pelo desgaste dos trens convencionais”.

O Maglev-Cobra – que tem esse nome porque os módulos lembram os “anéis” de uma cobra – obtém o efeito levitante com o uso de supercondutores, uma classe de materiais que, embora conhecida desde o início do século 20, só nas últimas décadas começou a ganhar aplicações industriais. Projetado para correr a 70 quilômetros por hora, o trem é ideal para percursos urbanos, substituindo ou complementando automóveis, ônibus e metrôs.

Além de estar convencido da viabilidade econômica, o professor Stephan aponta outros elementos a favor de seu projeto: a fabricação de trens magnéticos no Brasil estimularia a instalação de uma indústria local de ímãs de terras raras e de supercondutores. A matéria-prima é abundante no Brasil, mas os produtos hoje são importados. Ele aposta até num outro desdobramento: o estímulo ao estabelecimento de novos padrões arquitetônicos e de transporte nas cidades.

No ano 2000, quando optaram por desenvolver um trem para uso urbano, os pesquisadores da Coppe pareciam estar tomando uma decisão solitária, na contramão dos projetos de trens magnéticos na Europa e na Ásia: veículos com velocidades de até 500 quilômetros por hora, para unir cidades a longas distâncias.

Passados mais de dez anos, vem a confirmação do acerto daquela opção. Enquanto as linhas de longa distância e alta velocidade de trens Maglev demonstram dificuldades para se expandir ou estabelecer, surgiu no mundo uma forte tendência ao desenvolvimento de trens magnéticos urbanos, porque as metrópoles, cada vez mais congestionadas, têm dificuldades para ampliar seus sistemas de metrô sem perturbar ainda mais a vida urbana. Grupos de pesquisa nos Estados Unidos, Alemanha, China, Japão e Coreia do Sul desenvolvem um total de dez projetos de trens magnéticos para uso nas cidades. No Japão, já existe uma pequena linha comercial de 9 quilômetros em Nagoia, e a Coreia do Sul está concluindo a construção de uma linha de 6 quilômetros para servir ao aeroporto internacional de Incheon, em Seul.

Outra decisão da Coppe foi a opção pela técnica de levitação magnética à base de supercondutores e ímãs permanentes, a qual só se tornou possível depois que foram sintetizados, no fim do século 20, os primeiros materiais supercondutores refrigerados a nitrogênio líquido e os poderosos ímãs de terras raras. Os outros projetos de trens magnéticos existentes no mundo, tanto para longas como para curtas distâncias, utilizam duas técnicas de levitação desenvolvidas há mais tempo: a eletromagnética, que se baseia em forças magnéticas atrativas para obter o efeito levitante, e a eletrodinâmica, baseada em forças magnéticas repulsivas. Os supercondutores e ímãs são mais caros que os materiais usados na técnica eletromagnética, que está mais desenvolvida hoje. Por outro lado, a levitação supercondutora se baseia em forças estáveis, o que dispensa complexos aparatos de controle e segurança para garantir a estabilidade de funcionamento do trem.

A aposta da Coppe na levitação supercondutora vem se mostrando promissora. Grupos de pesquisa na Alemanha e na China também iniciaram projetos nessa vertente na virada do século e negociam cooperação com os pesquisadores brasileiros.

+ Imagens + Imagens + Imagens